Cardeal Angelo Sodano fala sobre Fátima

Fátima é também convite à esperança

O Cardeal Angelo Sodano afirmou hoje em Roma que a Mensagem de Fátima não é apenas um convite à conversão, mas também “um convite à esperança”.

“Nos trágicos anos da guerra, as palavras de Nossa Senhora aos Três Pastorinhos estavam carregadas de conforto e esperança para a humanidade: "No final, o meu Coração Imaculado triunfará!”, sublinhou o Decano do Colégio dos Cardeais.

O Cardeal Sodano falava na Embaixada de Portugal junto da Santa Sé numa sessão com os embaixadores de língua portuguesa e espanhola acreditados junto do Vaticano, no contexto da visita do Papa Francisco a Fátima, a 12 e 13 de maio, a propósito das celebrações do Centenário das Aparições.

Na mesma sessão esteve igualmente presente o bispo de Leiria-Fátima, D. António Marto, que sublinhou a atualidade da Mensagem de Fátima.

Antigo Secretário de Estado do Vaticano, Sodano afirmou que é possível entender a “riqueza do magistério da Igreja sobre a missão da Mãe de Deus e dos santos na realidade da história humana”, porque há efetivamente uma «consciência pura do desenvolvimento progressivo da devoção mariana ao longo dos séculos».

Angelo Sodano recordou uma frase célebre do falecido Cardeal-Patriarca de Lisboa Manuel Gonçalves Cerejeira: “não foi a Igreja que impôs Fátima ao mundo, foi Fátima que se impôs à Igreja”.

Foi o agora Decano do Colégio dos Cardeais quem leu a terceira parte do Segredo de Fátima a 13 de maio de 2000, em Fátima, a pedido de João Paulo II, durante as cerimónias de beatificação de Francisco e Jacinta Marto.

Em 2007 presidiu à Peregrinação Internacional de Maio, na qualidade de Legado Pontifício de Bento XVI, nas celebrações dos 90 anos das Aparições aos pastorinhos.

Este site usa cookies para melhorar a sua experiência. Ao continuar a navegar estará a aceitar a sua utilização